Tim Festival 2007

Depois de muitas dúvidas e incertezas, na tarde do sábado, dia 27-10, comprei minhas passagens para SP, após muita insistência com minha querida tia pra pagar a viagem, consegui. Porque universitário fudido não tem dinheiro pra nada!
=]

A partir disso começava minha aventura pra ver os macacos árticos.
Peguei o ônibus às 23:45 do mesmo dia, dormi a noite inteira, cheguei no terminal Tietê às 7:20.
Havia combinado com um amigo de encontrá-lo lá, só que ele iria chegar só às 9:00, então comecei a andar, fui até o Anhembi pra conhecer. Depois de andar um pouco, comecei a perguntar pra um aqui outro ali. Cheguei e não acreditei quando vi umas trinta pessoas na fila, às 8hs da manha do domingo. Que isso! O show estava previsto pra começar às 18:30, e as oito da manhã já tinha gente esperando pra entrar, pensei, eu não consigo fazer isso.

Nove e pouco o Túllio chegou, conversando decidimos não ficar ali, não temos idade mais pra isso. Ele tinha falado sobre o MASP, Museu de Artes de São Paulo, um lugar que não poderíamos deixar de ir, então fomos, (dois mineiros perambulando pela maior cidade da América do Sul), pro terminal Tietê e pegamos o metrô, descemos na Av. Paulista. Que isso! Quando eu subi as escadas e vi aquela imensidão de avenida, nú... pensei, vou morar aqui um dia! hehe. Chegando ao museu, vimos à exposição “Da Bauhaus a (Agora!)” arte minimalista, conceitual, coisas inusitadas e interessantíssimas, além de quadros lindos de Portinari entre outros. Foi uma bagagem e tanto pra minha formação acadêmica.
Depois da exposição encontramos com os amigos cariocas do Túllio, povo gente boa. Almoçamos num buteco\restaurante na Paulista, que estava lotado, o povo lá é animado mesmo, sai pra almoçar no domingo em peso!
Assim que almoçamos voltamos pro Anhembi, chegamos lá umas 16:00, tava previsto pra abrir esse horário, mas foi abrir quase 17hs, como tínhamos conhecidos na fila, ficamos em um lugar bom, bem no começo! Quando o portão se abriu, ow foi uma correria só, todo mundo querendo um lugar bom pra ver o show, até que consegui, fiquei na grade, que felicidade, mas felicidade que não durou muito. Isso era cinco e pouco, imagina, faltava mais de uma hora só para o evento começar. A banda que eu queria ver entraria depois de meia noite, mas mesmo assim eu não desisti, fiquei lá, queria ver Alex Turner e companhia de perto, apesar de que na minha frente tinha uma pá de gente da área VIP, pensa comigo, o pior lugar deles ainda era melhor que o meu, que entre aspas era o melhor da pista. A próxima vez eu me esforçarei pra ir de área vip, enfim.
Mais de 19hs começou o evento com o show dos Spark rock, hip-hop que não me agradou, um neguin dançando muito estranho e uma garota bonita, mas... esse tipo de som nunca me agradou muito. Depois vieram os Hot chip, banda de electro, muito boa! Conhecia pouca coisa, mas o show foi muito bom, apesar de uma parada no meio que deixou todo mundo sem saber o que tinha acontecido direito.
Nesse meio tempo eu já não estava aguentando ficar ali, naquele lugar apertado, com muita dor, calor e fome. Mas o que me dava força pra continuar era pensar que eu ia ver os Monkeys do lugar mais próximo possível.
Depois de um longo e cansativo tempo de espera, entra Bjork com um cenário cheio de detalhes, com muito efeito de luz, um figurino primoroso, um som ímpar que já conhecia, mas que ao vivo me fez gostar ainda mais. Mas o meu problema continuava, apesar de que durante o show dela, deu pra esquecer um pouco a dor e o calor insuportável, estava tão cheio que não tinha como levantar o braço pra aplaudir, com muito esforço eu conseguiria, mas pra descer seria mais difícil ainda. Era uma coisa irreal aquele empurra-empurra, aquelas pessoas gritando e fazendo de tudo pra chegar mais perto, o que era impossível. Ao fim do show dela, não deu mais, desisti de ficar naquele lugar, afinal já havia mais de sete horas que eu estava em pé. Sai, porque, se ficasse ali esperando desmontar o palco da Bjork, montar e desmontar o palco da Juliette, pra só assim poder ver a minha banda favorita tocar, eu não ia conseguir ver direito, por causa das dores no corpo e porque a tendência era aquele lugar ficar cada vez mais insuportável, uma vez que as duas bandas preferidas estavam para o final, monkeys e kyllers. Pulei a cerca e fui para o posto médico, tomei um dorflex, e descansei um pouco. Foi à melhor coisa que fiz, depois de um tempo o comprimido fez efeito, não sentia mais dor. Fiquei num lugar perto do posto médico, não estava tão próximo, mas dava pra ver o palco sem precisar ficar na ponta dos pés, tinha espaço, e ar pra respirar.

O show da Juliette and the licks, que para mim não teve nada de mais, não gosto da performance exagerada dela, sei lá, não precisa de tanto, mas tudo bem, se ela ta fazendo sucesso e estava no Tim Festival, é porque tem alguma qualidade né!?
Quando o show dela acabou eu pensei, velho, agora a banda que eu vim ver, vai tocar. Que isso, o período de troca de palco foi uma eternidade, estava ansioso, inquieto.
Até que eles entraram, com um palco simples, com nada mais que holofotes de fundo, demoraram pra dar um oi para o público, mas e daí¿ Eles são britânicos e além do mais são jovens tímidos, a gente vê pelas entrevistas, eles foram pra tocar e isso fizeram perfeitamente bem, tocaram músicas do primeiro cd, do último e até inéditas, entre elas uma das minhas favoritas “Do me a Favour”, faltou “Riot Van”,mas tudo bem, eles tocaram cerca de uma hora e foi o melhor show da noite, que venham mais vezes, que com certeza estarei lá pra vê-los.

Pouco depois começou o do The Killers, o último da noite. Uma grande produção, com muitas luzes no cenário e até árvores de verdade, lembrou um pouco natal, não sei a intenção, mas tudo bem, um show grande, o maior da noite, com poucos efeitos, mas com muita presença de palco de Brandon Flowers.

E assim acabou o Tim festival, as 5hs em ponto de segunda feira 29-10-2007
Agora era só voltar pra casa, que estava longe viu!¿ Voltei pro terminal, peguei meu ônibus as 07:45, apaguei e só acordei quando estava em Betim.

Valeu à pena.

4 comentários:

2T disse...

Foda!!!!!!

Valiosas disse...

O importante é isso...
ter válido a pena...hehe
corajosasso vc Rafa!
Tá certo, fez oq quis!

Ps: Belo texto, bem escrito,com detalhes mas sem ser massante...bacana! =]

By Carol Sanguinetti!

Pedro disse...

bacana seu blog rapha!
depois vou fazer um tbm pra gente troca texto.

Santuário Tattoo disse...

Gostei do texto, só ñ gostei dos comentários sobre a Juliette, poxa o som é mto bom é só escutar com calma!
mas td bem neh?
Q bom q vc conseguiu ver sua banda favorita...

bjus
Carol