Maria Eduarda, o pedacinho de gente da família



Uma flor nova no jardim

Dizem que o cheiro de camomila que acalma só aparece quando ela passa sorrindo, é tão leve que parece flutuar enquanto dorme, com o olhar vidrado meio de lado ela adoça qualquer coração amargo, deixa o dia mais fresco, os pensamentos mais serenos.

É tão miúda que mão consegue abraçar com as mãos um dos dedos do moço que olha sem entender, de onde vem tanta paz, de que cor é o mundo dela, por que seu suspiro parece silencioso e o choro tão medroso, por que tinha cheiro de chá e nasceu aprendendo a nadar?

Enquanto ninguém sabe o que faz o tempo parar quando ela está por perto, a gente passa o tal do tempo olhando sem saber e rezando pro mundo girar mais devagar.

foto: Raphael Ribeiro
texto: Júlia Meireles

Um comentário:

julianmeireles disse...

me derreto so de olhar.